Menssagem de erro

Notice: Undefined offset: 1 em counter_get_browser() (linha 70 de /var/aegir/platforms/drupal-7.53/sites/all/modules/counter/counter.lib.inc).

Luciana Carvalho Fonseca

 

Currículo Lattes

luciana.carvalho @ tradjuris.com.br

Área de pesquisa

Linguistica de Corpus e Tradução Técnica

Mestrado

A tradução de binômios nos contratos de 'common law' à luz da lingüística de corpus

O objetivo desta pesquisa é estudar os binômios que ocorrem em contratos de common law à luz da Lingüística de Corpus, procurando dar subsídios que auxiliem os tradutores de textos jurídicos a chegar a uma tradução natural, ou seja, para que traduzam linguagem jurídica por linguagem jurídica. Os binômios são formados por duas palavras pertencentes à mesma categoria gramatical, ligadas pela conjunção and ou or. Alguns exemplos são: terms and conditions, any and all, executed and delivered, due and payable, action or proceeding, agreement or obligation. Os binômios são uma marca do inglês jurídico e como tal têm sido objeto de diversos estudos. O mesmo, porém, não ocorre com a linguagem jurídica em português. Assim, ao lidar com a tradução de binômios, estudos mostram que os tradutores brasileiros se apegam à opção mais literal. A escolha de estudar os binômios nos contratos de common law se deve ao fato de estarem os contratos entre os documentos mais difíceis de traduzir e de ler e por terem uma altíssima concentração de binômios. Por essas razões, para estudar os binômios na linguagem jurídica em inglês e dar elementos para o tradutor chegar à tradução em português do Brasil, compilamos um corpus comparável de agreements e contratos autênticos perfazendo, aproximadamente, 1 milhão de palavras - 705 744 em inglês e 289 984 em português - composto por 5 amostras de 28 espécies de contratos e agreements, totalizando 140 documentos em cada língua. O corpus foi explorado de acordo com os princípios e ferramentas da Lingüística de Corpus. Para etiquetar o corpus usamos o programa CLAWS 7 (the Constituent Likelihood Automatic Word-tagging System) do UCREL (Universidade de Lancaster) e para explorá-lo, o WordSmith Tools de Mike Scott.

Doutorado

 "Eu quero cesárea!" ou "Just cut it out!": Análise Crítica do Discurso de relatos de parto normal após cesárea de mulheres brasileiras e estadunidenses à luz da Linguística de Corpus

No Brasil, a maioria absoluta das primíparas, deseja parto normal logo que engravida, porém, em mais da metade dos casos, os nascimentos são cirúrgicos. O fenômeno da falta de correspondência entre o desejado e o efetivamente alcançado não é exclusividade das mulheres brasileiras, mas ocorre em vários países do ocidente. Por meio da Análise Crítica do Discurso (ACD) de relatos de parto normal após cesárea (relatos de VBAC, do inglês, vaginal birth after c-section) à luz da Linguística de Corpus (LC), buscamos elucidar o problema social entre a falta de correspondência entre o tipo de experiência desejada e a experiência obtida. O discurso dos relatos de VBAC nos parece ser o discurso ideal para desvelar os elementos dessa falta de correspondência, pois abordam tanto a experiência da cesárea anterior indesejada e, em regra, mal indicada, como a do parto desejado e alcançado. O recorte teórico-metodológico adotado reúne a ACD (Fairclough, 1989, 1992; Chouliaraki & Fairclough, 1999; Fairclough, 2003); a LC (Stubbs, 1993, McEnery & Wilson, 1997 e 2003, Tognini-Bonelli, 2001) e a Análise Crítica do Discurso Baseada em Corpus (Baker et al 2008; Baker, 2013; Baker & McEnery, 2005; Flowerdew, 2014). Para o estudo, foi compilado um corpus eletrônico em inglês e português. O corpus é composto por textos escritos pelas mulheres que passaram pela experiência de VBAC e não inclui textos mediados (entrevistas e relatos escritos por terceiros não foram incluídos). O Corpus BRABA (Corpus eletrônico de relatos de parto de mulheres brasileiras, estadunidenses, britânicas e australianas) se divide, respectivamente, em quatro subcorpora: Corpus BRA (93 relatos, 250 807 palavras), Corpus EUA (101 relatos, 225 736 palavras), Corpus UK (97 relatos, 92 197 palavras) e Corpus AU (92 relatos, 200 639 palavras. Os primeiros dois subcorpora Corpus BRA e Corpus EUA foram selecionados para esta pesquisa que pretende investigar como as identidades e a experiência do nascimento são representadas nos relatos de mulheres brasileiras e americanas e por meio dessa investigação chegar a elementos que elucidem o problema social. O processamento eletrônico valeu-se do programa AntConc 3.4.0w (Anthony, 2012) e das ferramentas da LC (listas de frequência, lista de palavras-chave, linhas de concordância, padrões lexicais, etc.). A análise foi direcionada pelas palavras-chave que correspondem aos sujeitos envolvidos e pelos colocados mais estatisticamente relevantes dessas palavras. No Corpus BRA, foram analisadas: eu (colocados: desisto, renasci, mamava); bebê (encaixado, morrer/morresse, sexo, batimentos, alto); marido (companheiro, apoiou, cortou); doula (amada, obstetriz, querida, presença); médico (fofa/fofinha, mudar/mudei, cesarista, ginecologista, humanizada); anestesista; enfermeira (obstétrica/obstetra, cadê, soro, chamar); parteira (liguei/ ligar, doula, casa); obstetriz (doula, toque). No Corpus EUA: I (wish, protested, lamented); baby (pound, girl, boy); midwife (certified, asst/assistant, student, assist); doula (hired, friend, called); nurse (practitioner, tells, triage); doctor (office, seen, comes); anesthesiologist; husband (poor, run, children). A análise permitiu que fosse elucidado o problema social em ambas as sociedades e fossem reveladas diferenças discursivas e culturais. A falta de correspondência entre a experiência desejada e a alcançada é representada como tendo sido causada pela sucessão de eventos distintos. Contudo, em ambos os corpora, as experiências são representadas e a autoidentidade e as identidades construídas discursivamente sob a égide dos traços da modernidade, marcadamente, em relação à reflexividade exercida ideologicamente. Porém, a reflexividade é operada, não só como um modo de sustentar, mas principalmente como forma de transformar as relações de dominação.